terça-feira, 9 de Setembro de 2014

Mostra de filmes de Miguel Gonçalves Mendes na Casa das Artes de Famalicão


Mostra de filmes de Miguel Gonçalves Mendes
27, 28 e 29 de Outubro |21h30 |Pequeno Auditório
Entrada Livre à lotação da Sala

27 out | AUTOGRAFIA, UM RETRATO DE MÁRIO CESARINY
Doc., Versão de Cinema 103’, Versão de TV 52’, DigiBeta, Cor, PAL
4/3, Stereo, 2004
Língua Original PT; Legendado EN/FR/ES/IT
Autografia pretende retratar, não o poeta e pintor Mário Cesariny, mas sim a sua vida, o seu percurso e a sua individualidade. Sendo este um trabalho que vive sobretudo das questões colocadas (ausentes) e das respectivas respostas, optou-se por assumir como fio condutor um dos seus poemas – Autografia – que servirá de mote para as questões intencionadas, de modo a que o filme assuma um carácter intimista, estabelecendo-se um diálogo entre quem vê e quem é retratado.

28 out | NADA TENHO DE MEU
(FIC. 52’)
Ficha técnica completa
Título- Nada Tenho de Meu (Original)
Ano produção 2012
Dirigido por- Miguel Gonçalves Mendes
Estreia 2012 (Mundial)
Duração- 60 minutos
Classificação L - Livre para todos os públicos
Género - Documentário
Países de Origem- Camboja, Hong Kong, Macau, Tailândia, Vietname.

O realizador português Miguel Gonçalves Mendes e os escritores brasileiros Tatiana Salem Levy e João Paulo Cuenca viajaram até ao Extremo Oriente para uma troca de experiências com artistas e pensadores de Macau, Hong Kong, Vietname, Cambodja e Tailândia. Desse contacto, que surgiu depois dos 3 autores terem sido convidados a estar presentes no 1º Festival Literário de Macau - Rota das Letras, nascerá a série de vídeos «Nada tenho de meu», descrita pelos seus autores como «uma mistura de caderno de viagens e ficção». Documentário, Experimental, Série, 8 minutos (sete episódios na primeira temporada).

29 out | JOSÉ E PILAR
O RETRATO DE UMA RELAÇÃO- JOSÉ SARAMAGO E PILAR DEL RÍO
A Viagem do Elefante, o livro em que Saramago narra as aventuras e desventuras de um paquiderme transportado desde a corte de D. João III à do austríaco Arquiduque Maximiliano, é o ponto de partida para José e Pilar, filme de Miguel Gonçalves Mendes que retrata a relação entre José Saramago e Pilar del Río.
Mostra do dia-a-dia do casal em Lanzarote e Lisboa, na sua casa e em viagens de trabalho por todo o mundo, José e Pilar é um retrato surpreendente de um autor durante o seu processo de criação e da relação de um casal empenhado em mudar o mundo – ou, pelo menos, em torná-lo melhor.
José e Pilar revela um Saramago desconhecido, desfaz ideias feitas e prova que génio e simplicidade são compatíveis. José e Pilar é um olhar sobre a vida de um dos grandes criadores do século XX e a demonstração de que, como diz Saramago, “tudo pode ser contado doutra maneira”.
TÍTULO: “José e Pilar”
GÉNERO: Longa-metragem documental

DURAÇÃO: 125’

sexta-feira, 5 de Setembro de 2014

Opus 2

Opus 2 (reposição) 
Opus 2 é uma peça músico-teatral dirigida à infância, especialmente concebida para estimular os sentidos e a comunicação dos mais pequeninos.
30 de Outubro| Centro Escolar | Freguesia de Joane
31 de Outubro |Pequeno auditório |Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão
10h00, 11h00 e 14h30
Máximo de 25 meninos (as) por turno (Inscrição Prévia)
Duração: 40 m
Opus 2
Em Opus 2 bebés e adultos são convidados a viajar numa máquina movida a música. Uma máquina capaz de voar, de navegar, de levar pequenos e crescidos a ouvir pássaros, peixes e até o som das estrelas. Com uma harpa à proa e com as vozes a remar.
Esta obra faz parte do Peça a Peça, um ciclo de peças de música-teatral concebido no âmbito do Projecto Opus Tutti para chegar a mais crianças, através de apresentações em teatros, creches, jardins de infância e outros equipamentos sociais.
Linguagem principal: música (harpa, voz) e teatro.
Intérpretes: Ana Dias e Lavínia Moreira.
Concepção e Produção: Companhia de Música Teatral

Apoio: DGArtes e Fundação Calouste Gulbenkian/Opus Tutti

NOISERV na Casa das Artes

NOISERV
Música
25 de Outubro | Sábado| 21h30| Grande  Auditório
Entrada: 5 Euros / Cartão Quadrilátero Cultural: 2.5 Euros
M/3
Duração: 70 m
Criado em meados de 2005 pelo músico David Santos, noiserv tem vindo a afirmar-se como um dos mais criativos e estimulantes projectos musicais, de entre os surgidos em Portugal na última década. O seu percurso tem sido marcado pela criação de canções capazes de atingir cada individuo na sua intimidade, relembrando-lhe vivências, momentos e memórias intrincadas entre a realidade e o sonho.
Noiserv, a quem já chamaram "o homem-orquestra" ou "banda de um homem só", conta no seu currículo com o bem sucedido disco de estreia “One Hundred miles from thoughtlessness” [2008], o EP “A day in the day of the days” [2010], mais de 4 centenas de concertos por Portugal e resto do Mundo e ainda uma série colaborações em Teatro e Cinema.
Em Outubro de 2013 noiserv editou o seu novo disco de nome “Almost Visible Orchestra”. Este é o disco em que noiserv deixa o preto e branco e nos apresenta o seu mundo a cores. Um disco mais denso e complexo que os anteriores mas nunca perdendo a identidade pela qual se deu a conhecer há quase dez anos.

No início de 2014 este disco foi galardoado como melhor disco de 2013 pela SPA, Sociedade Portuguesa de Autores.

quinta-feira, 4 de Setembro de 2014

A Sagração da Primavera - Olga Roriz na CdA

A Sagração da Primavera
Um solo de Olga Roriz
Dança


17 de Outubro | Sexta| 21h30| Grande  Auditório
Entrada: 10 Euros / Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 5 Euros
M/4
Duração: 70 m

2013 celebrou-se o centenário da criação de A Sagração da Primavera por Nijinsky/Stravinsky.
Após a sua primeira criação desta obra, Olga Roriz confessa:
– “Algo ficou por fazer, tanto ficou por ser dito. Pretendo encontrar um outro estar, uma acumulação do mesmo mas sempre em renovação, jamais entendido.
Ignorar os tabus, reescrever a história, acrescentar as referências e criar o momento.
Paixão, memórias e saber, manter-se-ão intactos, serão respeitados mas sem voz, sem espaço, sem presente. Corpo a corpo num confronto nunca pacífico.”
Olga Roriz após 39 anos de carreira como intérprete e 9 solos criados, lança-se a um duplo desafio.
A revisitação de uma obra maior como é A Sagração da Primavera e a insistência da sua longevidade como bailarina e intérprete. Poucos são no Mundo os criadores que se propõem a coreografar esta obra, muito menos ainda os que aos 59 anos de idade a dançam.
Olga Roriz é a única intérprete/criadora no nosso País e das poucas na Europa que continua a transmitir pelo seu próprio corpo o seu legado coreográfico e artístico, persiste em construir, desenvolver e partilhar com o público a sua presença gestual e interpretativa ímpar.

Direção e Interpretação | OLGA RORIZ
Música | IGOR STRAVINSKY (Orquestra Filarmónica de Los Angels dirigida por Esa-Pekka Salonen)
Cenário, apoio dramatúrgico e aos ensaios | PAULO REIS
Figurino | OLGA RORIZ E PAULO REIS
Desenho de Luz | CRISTINA PIEDADE
Diretor Técnico | MANUEL ALÃO
Edição vídeo | JOÃO RAPOSO
Desenho de som | SÉRGIO MILHANO
Assistente de cenografia e figurinos | MARIA RIBEIRO
Apoios | PARQUES DE SINTRA – MONTE DA LUA
Gestão e Digressões Internacionais | JOANA MARTINS
Produção Executiva e Digressões Nacionais | HENRIQUE FIGUEIREDO

Secretariado e Produção | TERESA BRITO 

Wadada Leo Smith na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Wadada Leo Smith & Anthony Davis
Música /Jazz
11 de Outubro | Sábado| 21h30| Grande  Auditório
Entrada: 15 Euros / Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 7.5 Euros
M/3
Duração: 70 m
Wadada Leo Smith – Trompete
Anthony Davis - Piano
O tão aguardado concerto de Wadada Leo Smith está finalmente confirmado no nosso País. O autor do mundialmente aclamado “Occupy the World” do ano passado e do surpreendente “Sonic Rivers” em parelha com John Zorn, George Lewis e Tzadik, já do corrente ano, atua dia 11 de Outubro no palco principal da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão acompanhado ao piano por Anthony Davis.
O trompetista e compositor nasceu no Mississippi em 1941 e 30 anos depois lançou o seu álbum estreia. O primeiro de cerca de 50 entre discos em nome próprio ou de participação em trabalhos conjunto com alguns dos maiores talentos do Jazz contemporâneo.

O seu virtuosismo e protagonismo no Jazz avant-garde conferem a Wadada Leo Smith um estatuto de lenda viva do Jazz.

quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

"Tribos" com António Fagundes e Bruno Fagundes na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão.

“TRIBOS”
Com António Fagundes e Bruno Fagundes.
Pai e Filho, encontram-se pela primeira vez em palco no nosso país, com a peça “TRIBOS”.
Teatro
8, 9 e 10 de Outubro | quarta, quinta e sexta| 21h30 | Grande Auditório
Entrada: 25 EUROS/ Cartão Quadrilátero Cultural: 12.5 Euros
 M/14
Duração: 80 m
Nota Importante
"O espectáculo começa rigorosamente no horário marcado. Não é permitida a entrada após o seu início. Não há devolução de dinheiro nem troca de bilhetes"

O espectáculo é uma premiada comédia perversa, da autoria de Nina Raine, que promete criar uma inusitada relação com a plateia – entreter, provocar e ao mesmo tempo entregar um extraordinário momento ao público.
A autora, de uma forma divertida e politicamente incorrecta, usa a personagem de um deficiente auditivo para questionar as diversas limitações do ser humano. Quem será mais surdo? Aquele que não consegue “calar-se” o tempo suficiente para entender uma realidade diferente da sua, ou, aquele que fisicamente é incapaz de receber estímulos auditivos? Existirá surdez maior que o preconceito, o orgulho, a ignorância, o egoísmo ou a falta de amor?
TRIBOS, enorme sucesso no Royal Court Theater, em Londres e vencedor do prémio New York Drama Critics, chega agora a Portugal pelas mãos da produtora PLANO 6, com um elenco de luxo, protagonizado por António Fagundes e Bruno Fagundes.
Billy (Bruno Fagundes), nasceu surdo no seio de uma família sem deficiências auditivas. Foi criado dentro de um casulo ferozmente idiossincrático e politicamente correcto, adaptando-se brilhantemente ao comportamento pouco convencional da sua família. Mas quando Billy conhece Sylvia (Arieta Correia), uma jovem mulher prestes a ficar surda, conhece uma nova realidade. Este será o ponto de viragem que o colocará, assim como ao público, perante a dúvida do que realmente significa pertencer a algum “lugar”.
Autor: Nina Raine
Encenador: Ulysses Cruz
Interpretação: António Fagundes, Bruno Fagundes, Arieta Correia, Eliete Cigaarini, Guilherme Magon, Maíra Dvorek.

Produção: Plano 6

Bandoleiros Cabaret

Bandoleiros Cabaret
Jangada Teatro/Teatro Musical
3 e 4 de Outubro| sexta e sábado| 21h30 | Grande Auditório
Entrada: 7 EUROS/ Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 3.5 Euros
M/12
Duração: 70 m
 Sinopse
Bem-vindos ao nosso Cabaret.
Um cabaret político anárquico, bem-humorado, provocante, poético e desbocado. Por ele passarão os bandoleiros do passado: Zé do Telhado, Boca Negra, as manas Genoveva e os ladrões do presente: Madame FMI e seus súbditos. Outros bandidos impunes desfilarão arrogantes: os assassinos das esposas, os marialvas e os adoradores da bola. Mulheres corajosas e servis, atrevidas e bandoleiras a desafiar o poder dos machos.
Tudo regado com inebriante música e ritmos tropicais executados pela nossa Banda de Renegados; vozes e sons do antigamente e do agora, a salivar o seu alegre veneno. Sem papas na língua, os nossos comediantes encarnarão os fora da lei ou receberão os espíritos dos mortos. Sentiremos hálito dos fantasmas e o fedor dos corruptos. O passado que retorna implacável e o presente sem futuro que nos atormenta. Sempre a rirmos das desgraças e a enaltecermos a transgressão, queremos sentir e dar prazer ao nosso público sedento de riso e de má-língua.
José Caldas

Equipa Artística

Dramaturgia e Encenação| José Caldas
Texto | Filomena Gigante
Música | Alberto Fernandes
Interpretação | Luiz Oliveira; Magda Magalhães; Patrícia Ferreira; Rita Calatré;
Vítor Fernandes e Xico Alves
Execução Musical| Alberto Fernandes; Pedro Oliveira e Rui Souzza.
Coreografia | Hugo Romero e Carla Pinto

Desenho de Luz | Nuno Tomás

Exposição de Pintura de ADIASMACHADO e ARNALDO MACEDO

Exposição de Pintura de ADIASMACHADO e ARNALDO MACEDO
Título: "MADRUGADA DE ESPELHOS"
De 1 a 30 de Outubro, Foyer | Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão
 


Um é um procurar-fora. Outro, um procurar-dentro. Mas juntos, à distância de apenas duas paredes, são a sinergia das cores que sabem de cor a cor da nossa alma.
Falar deles é falar de fé. Falar das obras deles é falar de deus. Porque só deus pode ser visto nos espaços vazios de uma tela. Retina fora dos olhos de quem sente. Dentro avista-se a alma do pintor a evaporar através dos poros. Inala-se esperança e secam-se os poros tingidos, entre a moldura de um tecido que já não é quadro. É pele.
Num reflexo, um é sonho e outro é sangue. Mas não importa quem. Importa somente que renasçam assim: de olhos apontados um no outro.
Diz-nos o sonho que, entre um e outro quadro, está cada um de nós. Imersos num universo silencioso onde só os olhos ousam escutar. Entre uma e outra obra está a vida. E a vida, diz-nos o sangue, não se pode adiar.

Carina Flor  

terça-feira, 24 de Junho de 2014

GNR Em Vila Nova de Famalicão

GNR
Rui Reininho, Toli César Machado, Jorge Romão
Música/rock/pop
27 de Setembro| sábado| 21h30 | Anfiteatro do Parque da Devesa
Entrada: livre
M/3
Duração: 120 m
Músicos
Andy Torrence - Guitarra
Miguel Amorim - Teclas
Jorge Oliveira - Bateria
Nos idos de 1981, a Guarda Nacional Republicana não achava grande graça a ter visto a sua sigla usurpada, sem vergonha de espécie nenhuma, por três putos reguilas do Porto que proclamavam alto e bom som querer ver "Portugal na CEE". Convencidos que a celebridade dos mancebos não ia passar de um daqueles fogachos pré-mediáticos a GNR não apresentou queixa e os GNR puderam continuar a usar a sigla, que encurtava o extenso de "Grupo Novo Rock". Foi mesmo das poucas polémicas que passaram ao lado de uma banda que, a certa altura, parecia atraí-las como se fosse um íman. Todos estes anos depois — e será possível que já tenham passado mais de vinte? — os GNR são uma veneranda instituição civil da praça pública pop portuguesa. Há quem os ame e quem os odeie. Mas, já dizia o outro, contra factos não há argumentos e basta desfiar uma lista (mesmo que parcial) de canções para marcar com o proverbial X do totobola a "chave vencedora": "Portugal na CEE". "Hardcore (1º Escalão)". "Piloto automático". "I Don't Feel Funky (Anymore)". "Dunas". "Sete Naves". "Efectivamente". "Pós Modernos". "Impressões Digitais". "Sangue Oculto". "Ana Lee". "Pronúncia do Norte". "Sub-16". "Mais Vale Nunca". "Las Vagas". "Dominó". "Saliva". "Tirana". "Asas (Eléctricas)". "Popless". Faltam muitas, não faltam? Reduzidos agora — e definitivamente — ao trio central de Reininho, Romão e Machado, estes GNR poderiam já não ter o entusiasmo irreverente dos primórdios (o que seria difícil ao fim de vinte anos…), mas compensavam-no com a descoberta de uma elegância e de
uma simplicidade pop de costas deliberadamente voltadas para a moda do momento. Ou, para sintetizar a coisa numa palavra: maturidade.
Prolongada em "Popless", álbum de 2000 que, apesar do título e da exploração dos recantos de charme da voz de Rui Reininho, era tão (ou mais) pop como um disco dos GNR pode ser. O que, como já sabemos desde há mais de vinte anos, é sempre muito — confirme-se em "Câmara Lenta", de 2002, cujo título resume na perfeição a recolha de baladas e outros slows para "agasalhar a costeleta". A surpresa foi perceber que eles já os tinham em 1982, muito antes de "Dunas" e "Bellevue", quando estavam todos a olhar para outro lado. É típico: a marca registada dos GNR foi sempre a de estarem ali, como quem não quer a coisa, e depois apanharem-nos desprevenidos com uma grande canção pop. Daquelas que cola e não descola. O Grupo lança em 2010 o disco Retropolitana, ultimo registo de originais até à data. Em 2011 comemoram 30 anos de carreira e lançam Vôo domésticos e um novíssimo espectaculo ( mais intimista em formato semi-acústico ).

Em 2013, os GNR iniciaram a tour "Afectivamente" nos palcos de todo o país. Em 2014, regressam aos palcos continuando a tour com o mesmo nome;  até ao final do ano lançam o single de estreia  do novíssimo disco.

segunda-feira, 16 de Junho de 2014

CINEMA PARAÍSO: CINEMA NO PARQUE DA DEVESA

Quartas | 22h00
Co-produção:
 CASA DAS ARTES / mUNICÍPIO DE vILA nOVA DE fAMALICÃO E cINECLUBE DE JOANE

GOLPADA AMERICANA _ 16 de Julho
Título original: American Hustle (EUA, 2013, 129 min.)
Realização: David O. Russell
Interpretação: Christian Bale, Amy Adams, Bradley Cooper, Jennifer Lawrence, Robert De Niro
Género: Comédia
Classificação: M/16
Apanhados pelo agente Richie DiMaso depois de um dos seus múltiplos golpes, Irving e a sua parceira e amante Sydney são forçados a trabalhar para o FBI numa missão que envolve alguns dos mais perigosos criminosos de New Jersey. É assim que se vêem envolvidos nos negócios pouco claros de Carmine Polito, um político entusiasta
mas pouco credível que se deixou cair nos meandros da máfia local. Para dificultar esta missão já de si complexa, Irving acaba por descobrir, da pior maneira possível, o poder do ressentimento de Rosalyn, a mãe do seu filho, de quem nunca se chegou a divorciar...
Com realização de David O. Russell ("The Fighter - Último Round", "Guia para um Final Feliz"), que escreve o argumento em parceria com Eric Warren Singer, uma comédia negra que reinventa a verdadeira história de Melvin Weinberg, um vigarista sedutor que ficou célebre nos EUA durante a década de 1970. "Golpada Americana" foi premiado com três Globos de Ouro: Melhor Comédia/Musical; Melhor Actriz de Comédia/Musical (Amy Adams) e Melhor Actriz Secundária (Jennifer Lawrence). No que diz respeito aos Óscares – que serão entregues a 2 de Março –, conta com dez nomeações, entre elas para melhor filme, realizador, actriz (Amy Adams), actriz secundária (Jennifer Lawrence), actor (Christian Bale) e actor secundário (Bradley Cooper).

O Fantástico Homem Aranha 2_ 23 de Julho

Título original: The Amazing Spider-Man 2
De:Marc Webb
Com:Andrew Garfield, Emma Stone, Jamie Foxx , Paul Giamatti, Martin Sheen
Género:Acção, Aventura
Classificação:M/12
Outros dados: EUA, 2014, Cores, 142 min.
Peter Parker encontrou finalmente o sentido para a sua existência, seja a ajudar os outros enquanto Homem-Aranha, seja na sua relação com Gwen, a rapariga que sempre amou. Mas ser um super-herói tem o seu preço e a sua vida está constantemente ameaçada pelos criminosos que o querem destruir a qualquer custo. Agora, com o aparecimento de Electro, um inimigo com enormes poderes, Peter terá de estar à altura de um novo confronto. Mas, com o regresso de Harry Osborn, outrora o seu melhor amigo, ele apercebe-se de que os seus adversários têm sempre algo em comum: os laboratórios da Oscorp, a multinacional onde, em tempos, o seu pai trabalhou…

Quinto filme da saga "Homem-Aranha" pela Columbia Pictures e segundo a ser realizado por Marc Webb ("(500) Days of Summer"), esta é a sequela do filme que tanto sucesso fez em 2012. O elenco conta com os actores Andrew Garfield, Emma Stone, Jamie Foxx, Dane DeHaan, Campbell Scott, Paul Giamatti e ainda com a participação especial de Stan Lee, o criador da personagem.

GRAVIDADE _ 30 de Julho
Título original: Gravity (EUA / Grã-Bretanha, 2013, 90 min.)
Realização: Alfonso Cuarón
Interpretação: Sandra Bullock, George Clooney, Ed Harris
Género: Drama, Ficção Científica
Classificação: M/12
Numa importante missão espacial a bordo da nave Explorer, a inexperiente Dr.ª Ryan Stone e o veterano Matt Kowalski são surpreendidos com uma explosão que os lança no espaço. No vazio, sem conseguirem contacto com a sua equipa de controlo em Houston, os dois vão lutar pela sobrevivência. E, ao mesmo tempo que lidam com traumas que marcaram as suas vidas, eles procuram reinventar-se num cenário que deixa pouco lugar à esperança...
George Clooney e Sandra Bullock dão vida às duas personagens, as únicas ao longo de todo o filme. Com realização do mexicano Alfonso Cuaron e banda sonora de Steven Price, este intenso "thriller" psicológico de ficção científica abriu, fora de competição, a edição de 2013 do Festival de Veneza.

A GAIOLA DOURADA _ 6 de Agosto
Título original: La Cage Dorée (Portugal / França, 2013, 90 min.)
Realização: Ruben Alves
Interpretação: Rita Blanco, Joaquim de Almeida, Roland Giraud, Chantal Lauby

Género: Comédia
Classificação: M/12
Maria e José Ribeiro são um casal de portugueses emigrados em França há mais de três décadas. Ela sempre trabalhou como porteira de um prédio num dos melhores bairros parisienses e ele na construção civil. Todos gostam deles, quer pela sua simpatia e humildade, quer pela sua incansável boa vontade para ajudar quem precisa. Quando recebem a notícia de uma herança em Portugal que lhes concretiza o velho sonho do regresso às raízes, tudo parece perfeito. Porém, a verdade é que ninguém está muito interessado em perder a sua amizade e, subtilmente, uns e outros começam a organizar-se de maneira a fazê-los mudar de ideias.
Uma comédia de costumes com realização de Ruben Alves, que conta com a participação de Rita Blanco, Joaquim de Almeida, Chantal Lauby e Roland Giraud, entre outros.


MARRETAS PROCURAM-SE _ 13 de Agosto
Título original: Muppets Most Wanted (EUA, 2014, 107 min.)
Realização: James Bobin
Interpretação: Ricky Gervais, Ty Burrell, Tina Fey, Steve Whitmire (Voz), Eric Jacobson (Voz)
Género: Comédia, Aventura
Classificação: M/6
Depois do sucesso alcançado nos EUA, os Marretas são convidados a mostrar o seu talento numa digressão pela Europa. Decididos a tirar o máximo partido do que lhes acaba de acontecer, eles seguem em direcção à aventura, nunca imaginando que se irão envolver com a pior escumalha do velho continente. A confusão instala-se quando Cocas é confundido com Constantine – o Criminoso Número Um do Mundo – que, para além de pouco escrupuloso, é também uma cópia exacta do pequeno sapo. Com Cocas preso em seu lugar, Constantine engendra um plano maléfico para se fazer passar por ele e executar uma série de assaltos em várias cidades europeias percorridas pelo grupo dos Marretas. Apesar de todos se intrigarem com o comportamento arrogante de Cocas, ninguém desconfia da troca a não ser Animal, que decide fazer investigações por sua conta e risco…
Produzido pelos Estúdios Disney e, mais uma vez, pelas mãos do realizador James Bobin, este filme continua a história iniciada em 2011. Os actores Ricky Gervais, Ty Burrell, Tina Fey, Steve Whitmire, Eric Jacobson e Dave Goelz emprestam as suas vozes às personagens.

NOÉ _ 20 de Agosto
Título original: Noah (EUA, 2014, 138 min.)
Realização: Darren Aronofsky
Interpretação: Russell Crowe, Jennifer Connelly, Anthony Hopkins
Género: Drama, Aventura
Classificação: M/12

Sujeito a visões sobrenaturais predizendo o apocalipse, um carpinteiro simples e de coração justo chamado Noé tenta alertar os homens para o seu modo de vida imprudente e imoral. Porém, eles não estão preparados para tal mudança, pelo que seus conselhos são em vão. Desiludido com a corrupção e depravação das suas criaturas predilectas, Deus aparece a Noé durante o sono e adverte-o para um dilúvio de proporções universais, que eliminará os seres por si criados. Noé, pela força do seu carácter e virtuosidade, torna-se o escolhido para construir uma arca de madeira onde apenas haverá lugar para a sua família e um casal de cada espécie de animais, que ele mesmo terá de recolher. Aquela arca, de proporções desmedidas, impedirá os seus ocupantes de morrerem afogados e mantê-los-á vivos para um posterior repovoamento do mundo…
Realizado por Darren Aronofsky ("O Wrestler", "Cisne Negro"), segundo um argumento seu em parceria com Ari Handel, uma história épica sobre coragem, sacrifício e redenção que se baseia num dos momentos bíblicos mais relevantes, narrado no livro do Génesis. No elenco, os actores Russell Crowe, Jennifer Connelly, Ray Winstone, Emma Watson, Logan Lerman, Anthony Hopkins e Douglas Booth, entre outros.

BLUE JASMINE _ 27 de Agosto
Título original: Blue Jasmine (EUA, 2013, 98 min.)
Realização: Woody Allen
Interpretação: Cate Blanchett, Alec Baldwin, Sally Hawkins
Género: Drama
Classificação: M/12

Casada com um multimilionário nova-iorquino, Jasmine Francis sempre se habituou aos maiores luxos que a vida lhe poderia proporcionar. Porém, quando o marido se apaixona por outra mulher e lhe pede o divórcio, tudo aquilo em que ela sempre acreditou perde o sentido. Agora, sem dinheiro e sem nenhum outro lugar para onde ir, muda-se para São Francisco e vai viver para o modesto apartamento de Ginger, a irmã, com quem sempre manteve uma relação distante. É assim que, deprimida e totalmente desenquadrada, Jasmine vai tentando recompor a sua vida, passo a passo. E, ao mesmo tempo que reformula a sua relação com Ginger, vai-se esforçando por encontrar um novo sentido para a sua vida e fazer daquele lugar o seu novo lar.
Escrito e realizado por Woody Allen, um filme dramático que conta com a participação de Cate Blanchett, Alec Baldwin, Sally Hawkins e Peter Sarsgaard, entre outros.
Óscar de melhor actriz para Cate Blanchet

ALCESTE (Teatro), com Encenação de Cristina Carvalhal e texto Gonçalo M. Tavares / CASA das ARTES V. N. Famalicão

ALCESTE
Com Encenação de Cristina Carvalhal e texto Gonçalo M. Tavares.
Teatro
25, 26, 27 de Julho| sexta-feira, sábado21h30 | domingo 18h00 |Grande Auditório.
Entrada: 4 EUROS/ Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 2 Euros
M/12
Duração: 70
Fotografia de Milos Tomic
 
Sinopse
O revisitar da obra Alceste, de Eurípides, numa reescrita de Gonçalo M. Tavares.
À semelhança dos personagens retratados por Eurípides, também nós, assistimos ao que parece desenhar-se como um final de ciclo civilizacional, apartados da grandeza e da capacidade de ação dos heróis do passado.
A ressurreição que acontece em Alceste, tem levado a considerar esta obra como um prenúncio da introdução do Cristianismo. Da elegia de Job, que tem pontos de contacto com o pranto de Alceste, destacamos estas palavras, como mote inicial de trabalho: "A minha alma tem tédio da minha vida; soltarei minha língua contra mim; falarei na amargura da minha alma.”
Equipa Artística e Técnica
Texto original - Gonçalo M. Tavares
Encenação - Cristina Carvalhal
Cenografia - Paulo Capelo Cardoso
Desenho de luz - Pedro Correia
Figurinos – Sara Barbosa
Ilustração – Eva Mendes
Sonoplastia – Sérgio Delgado
Vídeo – Sara Augusto
Operação de som – Vítor Leite
Interpretação - Adriana Ribeiro, André Idalino de Moura, Anthony Figueira, Bárbara Garcês, Carla Silva, Daniel Silva, Diana Silva, Diogo Freitas, Estela Alves, Fábio Machado, Filipa Batista, Filipa Silva, Inês Meira, João Pedro Silva, Luísa Santos, Rafael Costa, Rita Freitas, Sara Barbosa, Soraia Silva e Tiago Correia.
Produção – Pedro Barbosa

Co-produção: Cão Danado/Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão/ Escola de Teatro Externato Delfim Ferreira

Projecto financiado pela DGArtes /Secretária de Estado da Cultura.

Formação /teatro - NO EXIT

NO EXIT
Adaptação da obra homónima de Jean-Paul Sartre
Teatro/Baú dos Segredos
18 e 19 de Julho |21h30 | sexta e sábado| Grande Auditório
Entrada: 3 EUROS/ Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1.5 Euros
M/14
Duração:60m
SINOPSE:
“A existência precede a essência.” (Jean-Paul Sartre)
Sartre procurou sintetizar muitos dos seus argumentos filosóficos com ficção.
No entanto, numa peça sobre temas como “enganar-se a si mesmo” e “má-fé”, a dualidade, implícita, das personagens que tentam representar coisas que não são e dos actores que tentam representar estas personagens, complementa, de forma perfeita, o argumento filosófico linear de Sartre. Com efeito, No Exit é uma peça sobre o olhar “devorador” do outro e de como esse olhar restringe a nossa liberdade, incorporados na peça em si e apresentados, no palco, através do olhar do público. As personagens procuram, constantemente, espelhos, de maneira a evitar o olhar julgador uns dos outros, quando é o olhar constante do público, que os faz falhar na sua tarefa.
“Então isto é o inferno. Nunca acreditaria. Lembram-se de tudo o que nos contaram das câmaras de tortura, do fogo e do enxofre, as “pontes ardentes” contos de fadas! Não há necessidade de espetos de ferro. O inferno são os outros!”
                                                                                     (Garcin in The Exit)

FICHA TÉCNICA:
 ENCENAÇÃO - Tiago Regueiras & Ana J. Regueiras
TRADUÇÃO - Tiago Regueiras
ELENCO  - Alunos da Classe B do Baú dos Segredos
ASSISTÊNCIA DE ENCENAÇÃO - João Regueiras
FIGURINOS & CARACTERIZAÇÃO      Cármen Regueiras & Emília Silva
DESIGN DE LUZ     Ana J. Regueiras & Tiago Regueiras
LUZ & SOM- Equipa Técnica da Casa das Artes de Famalicão
DESIGN GRÁFICO - Catarina Costa

PRODUÇÃO- João Regueiras /Casa das Artes

Formação /teatro - SÓ MAIS UMA, MAMÃ!

SÓ MAIS UMA, MAMÃ!
Teatro/Baú dos Segredos
16 e 17 de julho |21h30 | Quarta e Quinta| Grande Auditório
Entrada: 3 EUROS/ Estudantes e Cartão Quadrilátero Cultural: 1.5 Euros
M/6
Duração: 70 m

SINOPSE:
Em “SÓ MAIS UMA, MAMÔ, somos transportados para a tradicional hora, aos poucos e poucos caída em desuso, dos contos ao deitar, que urge recuperar para nosso quotidiano.
Mil e uma vezes ponto de partida para o mundo do sonho e da fantasia, nela se projetam todos os medos e desejos que a mente infantil consegue produzir.
A magia era visível no brilho do olhar da criança que escutava atentamente a voz familiar do contador e quando os olhos pesavam de sono, a história continuava noite adentro, invadindo e pintando o sonho de novas cores, matízes e momentos. Era, por assim dizer: uma hora mágica!

FICHA TÉCNICA:
ENCENAÇÃO - Ana J. Regueiras & Tiago Regueiras
ELENCo - Alunos da Classe A do Baú dos Segredos
ASSISTÊNCIA DE ENCENAÇÃO- João Regueiras
FIGURINOS & CARACTERIZAÇÃO - Cármen Regueiras & Emília Silva
DESIGN DE LUZ - Ana J. Regueiras & Tiago Regueiras
LUZ & SOM - Equipa Técnica da Casa das Artes de Famalicão
DESIGN GRÁFICO - Catarina Costa

PRODUÇÃO - João Regueiras /Casa das Artes

PEDRO ABRUNHOSA & COMITÉ CAVIAR em Famalicão

PEDRO ABRUNHOSA & COMITÉ CAVIAR
CONTRAMÃO
Musica/pop
12 de Julho |Sábado| 21h30| Anfiteatro do Parque da Devesa
Entrada: livre
M/3
Duração: 120 m
"Para mim, um Disco é cada vez mais um Livro, uma narrativa contínua de histórias desencontradas que se reencontram na Música que escrevo, de personagens, por vezes atormentadas, outras felizes, de sentimentos de perda ou de conquista que acabam por ser comuns a muitos de nós. Falo de mim através das vozes de outros e transponho-me para os outros usando a minha própria voz. Ao longo de todo este tempo, diria quase desde que me conheço enquanto Músico, procurei melhorar a simplicidade daquilo que verdadeiramente me fascina: escrever Canções. O que aí vem é apenas isso. A minha Vida tornada palavra e harmonia. Se se encontrarem comigo neste trabalho, a minha tarefa estará cumprida e partirei para a estrada já com o próximo disco nas entranhas.”

Pedro Abrunhosa